OLHAR
Homepage do Metrô
 
DIÁRIO DE BORDO
por Robson Aurélio
 
Uma sexta-feira histórica - muito especial
Esse Diário de Bordo é para dividir a alegria maravilhosa que tive em poder conhecer pessoalmente Dany, Yann e Virginie, 3 membros da ícone banda new wave dos inesquecíveis anos 80 que conseguiu em apenas um disco colocar 7 hits nas FMs e com direito a abertura de novela global (ti ti ti). Eles fazem parte de minha inesquecível adolescência. Como disse uma grande amigo meu músico (Roger Fergon): "o metrô é sem dúvida um dos maiores ícones do movimento new wave brasileiro, se não for o maior. Acredito que nenhuma banda conseguiu representar tão bem as características deste movimento, não só sonoramente mas também esteticamente. O glamour do metrô poderia ser comparado ao do Spandau Ballet ou Duran Duran, por exemplo."

Passei a semana contando os dias para chegar o grande momento. No dia anterior até separei a roupa que iria vestir, separei também minha máquina fotográfica e uma sacola para levar o meu vinil histórico do álbum "Olhar" (infelizmente esqueci o vinil da Virginie com o Fruto Proibido). Confesso que quando saí de casa p/ pegar o ônibus que iria para o shopping (onde fica a FNAC) as 18:10 hrs, estava ansioso e nervoso pois ficava pensando o que iria falar quando estivesse frente a frente com eles.
Cheguei no shopping faltando 20 minutos para a hora marcada (19 hs), pensei que estava atrasado e que eles já estivessem instalando o equipamento ou testando o som mas só tinha duas fãs esperando. Neste momento me lembrei do trecho da musica "tudo pode mudar". [eu acho que ele não vem! Ele não vem não, ou será que Virá?!]. A primeira coisa que fiz foi dar uma olhada no cd que para minha alegria estava com promoção de lançamento com o preço de 15 reais. Se já estava empolgado para comprar o cd pelo retorno da banda, depois disso e do show, que foi muito emocionante legal e gostoso, a vontade que eu tinha era comprar uma caixa de cds e sair dando de presente, é uma pena que não está sobrando $$$ para isto.

Bom... Mas voltando aos acontecimentos já era 7:05 da noite quando o Dany foi o primeiro a chegar com equipamentos, depois o Yann com mais equipamento. Eu estava louco para falar com eles mas estava meio envergonhado, tímido e também achei melhor, para não atrapalhar, esperar eles instalarem todo o equipamento do show para depois me aproximar. Foi o que fiz, depois de todo equipamento montado me senti mais a vontade para conversar com o Dany e foi muito legal a enorme simpatia, atenção e carinho que ele me deu. Falei pra ele da colaboração importante que tiveram para minha adolescência, falei da felicidade pela volta deles e alegria de poder conhece-los pessoalmente, elogiei o trabalho etc. Senti nele um grande entusiasmo pela volta e me confirmou que eles tinham acabado de gravar o programa Altas Horas em SP e vieram direto pra Campinas (um programa especial dos anos 80 com a participação também do Léo Jaime, Kid Vinil e Biquini Cavadão).
No fim da conversa super agradável com Dany lembro de dar um recado da Silvana que por email me disse que não estaria na FNAC de Campinas e pediu para falar que já estaria com muitas saudades deles, mas no meio do recado para minha surpresa e alegria ele me aponta uma moça sorridente sentada no chão com uma máquina profissional e diz que era a própria. Foi muito engraçada a situação e também muito prazeroso conhecê-la, pois é muito simpática como a maioria do povo de sua terra. Ela veio especialmente de Recife para o show case nas FNACs de SP e Campinas. Acho que é a fã numero um mesmo, sem demagogia uma pessoa especial. Em seguida fui me sentar e ficar na expectativa da chegada da Virginie e apresentação da banda. Foi quando a Virginie chegou com sua filha caçula de 7 ou 8 anos e eu ficava olhando que nem um bobão lhe admirando e vendo o seu carinho enorme com sua filha, continua com o mesmo olhar doce e meigo, ela passou muito carinho e meiguice.

Eram mais ou menos 19:35 hs quando começou o show com mensagem de amor de Herbert Viana. Foram 6 canções feitas com a maravilhosa e doce voz da Ginie, violão, guitarra, bateria e mais uma maquininha que faz uns efeitos (tipo um programador). Dessas canções 3 foram para as novas versões de Johnny Love, Beat Acelerado e Sândalo de Dândi (Sândalo de Dândi foi a musica que mais levantou a galera). Em alguns momentos a emoção bateu forte em meu coração e meus olhos brilharam, pois ao mesmo tempo que estava vendo Virginie e cia se apresentando a menos de um metro de distância, veio as lembranças maravilhosas daquela época que essas musicas tocavam nossas vidas e pelo jeito continuam tocando. No meio de Sândalo de Dândi a Virginie saiu do palco e foi cantar no meio da galera, de repente ela se ajoelha entre eu e uma garota e põe o microfone na frente dela para completar um trecho da música, puxa... Ainda bem que ela não colocou o microfone pra mim, pois acho que ficaria nervoso e poderia me enrolar e dar vexame. Eram 8 e pouco da noite quando encerrou o show, decidido então saí correndo para ir ao caixa comprar o cd para depois curtir melhor a banda, os outros fãs (que não tinham comprado o cd) vieram todos atrás de mim. Na fila do caixa já fiz amizade com a turma relembrando nossas danceterias new wave e bandas dos 80, depois de comprar o cd fui falar com Yann (o cara continua galã) e com toda simpatia, muito carinho e atenção conversou comigo.

Quando resolvi abrir o cd para ele autografar se travou uma luta entre eu e o lacre do mesmo que não abria, quando finalmente consegui eu não acreditei: tinha outro lacre.. Aí eu desisti e pedi socorro pra Silvana que tem muito mais unha do que eu. Depois de dar meu cd para o Yann autografar, logo em seguida puxei de uma sacola o vinil histórico de Olhar que o deixou impressionado e surpreso pela conservação do mesmo "nossa cara! Tá novinho o disco!". Aí eu falei pra ele: "o que a gente gosta, a gente cuida de coração" ele sorriu e agradeceu, depois pedi para bater uma foto, foi quando ele fez uma sugestão sensacional que me deixou muito feliz, ele sugeriu uma foto com toda a banda. Cara a emoção foi enorme pois não esperava todo esse respeito e consideração, ele chamou o Dany e a Virginie (todos largaram tudo o que estavam fazendo e prontamente vieram para tirar a foto). A Virginie foi logo ficando do meu lado para a pose e confesso que além de muito feliz fiquei meio sem jeito com um ícone do meu lado (acho que saí meio com cara de bobo nessas fotos). Quem bateu a foto? A nossa fotógrafa oficial Silvana! (he he he). Depois chegou a vez do Dany de autografar, ele me adiantou que o Metrô vai fazer uma turnê pelo brasil em março. Aí chegou a hora da Virginie que estava sentada em uma mesa atendendo. Ela tem um jeito muito delicado, cativante e meiga, logo depois de autografar meu cd e vinil tirou uma foto comigo individual, falou comigo que ficaria no brasil até o dia 30/12 quando retornaria para a África, ela voltará para o brasil em março para realizar os shows, disse também que poderão fazer shows na África. Perguntei se ela tivesse que escolher não preferia ficar no brasil em definitivo, ela confirmou que gostaria muito. Em seguida tirei fotos com o Dany, Yann e o André Fonseca, foi aí que tive a idéia de pegar autógrafos para um casal amigo do Rio Grande do Sul (Rogério e Tatiane) que, se pudessem, estariam com a gente naquele grande momento com certeza. Então peguei um papel e fui atrás da banda que me atendeu com o carinho de sempre. Depois de autografar, a Ginie me deu dois beijos, eu gostei tanto que dei minha face novamente para o terceiro, apesar de sermos já muito bem casados, ha ha ha ha. Sei lá quando iria vê-la novamente né? Virginie querida, muito obrigado por tanto carinho, meiguice e talento, que o Senhor Jesus te dê muita força, paz e vitórias em todas as áreas de sua vida. Um super beijo em seu coração.

Com todos eles comentei que não perdia um Chacrinha e Barros de Alencar nos sábados para vê-los, a satisfação deles foi enorme quando comentei isso, lembramos de outras bandas que participavam junto "nessa loucura " como o Dany afirmou, então lembramos do Degradê, Grafite, Sempre Livre e outras que faziam a mesma linha.

Antes de ir embora, ainda deu tempo de bater um papo com a Sil e o André Dezaum, que trouxe lps do Metrô de sua cidade inteira (ha ha há! brincadeira, meu irmão) tinha raridades como o primeiro compacto com "Beat Acelerado" e um cd sensacional do "Olhar" hiper personalizado. Neste momento foi a minha vez de dar um de fotógrafo e bater uma foto com a máquina poderosa da Sil, da própria com o Dezaum. Depois disso, me despedi de toda turma e muito feliz aproveitei para dar um passeio pelo shopping com a certeza de ter vivido sem dúvida um momento único e especial naquela noite.

É isso aí meus amigos, espero que tenham curtido esse dia abençoado que descrevi para vocês, realmente foi uma grande confraternização da família Metrô, não só com a banda mas com todos os fãs, parecia que nos conhecíamos ha muitos anos. Foi maravilhoso! Inesquecível! Muito legal mesmo!
 

Voltar

Comments